sexta-feira, março 27, 2015

I would like to explode.


“I would like to explode, flow, crumble into dust, and my disintegration would be my masterpiece.”

Emil Cioran
from On The Heights Of Despair

quarta-feira, março 25, 2015

Não te apaixones por uma mulher

Não te apaixones por uma mulher que lê, por uma mulher que tem sentimentos, por uma mulher que escreve...
Não te apaixones por uma mulher culta, maga, delirante, louca. Não te apaixones por uma mulher que pensa, que sabe o que sabe e também sabe voar, uma mulher que confia em si mesma.
Não te apaixones por uma mulher que ri ou chora, que sabe transformar a carne em espírito; e muito menos te apaixones por uma mulher que ama poesia (estas são as mais perigosas), ou que fica meia hora contemplando uma pintura e não é capaz de viver sem música .
Não te apaixones por uma mulher que está interessada em política, que é rebelde e sente um enorme horror pelas injustiças. Não te apaixones por uma mulher que não gosta de assistir televisão. Nem de uma mulher que é bonita, mas, que não se importa com as características de seu rosto e de seu corpo.
Não te apaixones por uma mulher intensa, brincalhona, lúcida e irreverente. Não queiras te apaixonar por uma mulher assim. Porque quando te apaixonares por uma mulher como esta, se ela vai ficar contigo ou não, se ela te ama ou não, de uma mulher assim, jamais conseguirás ficar livre...

Martha Rivera-Garrido

segunda-feira, março 23, 2015

Insatisfação de ti.

Esta constante insatisfação de ti aflige-me. Por muito que te procure nunca te encontro, nunca te acho... Pergunto-me se o único sitio onde viverás será dentro de mim... Pareces-me sempre tão real mas tão inalcançável. Serei eu a idealizar-te sem existires? Serás tu apenas um reflexo da minha imaginação? Mas... eu vejo-te. Vejo-te naqueles com que me deito, vez após vez, até te esfumaçares de novo. És sempre tu, mas com outra cara, outro corpo, outro nome. E partilho-me contigo de todas as vezes e, em todas elas, fico na esperança que te partilhes comigo. Mas nunca acontece. Nunca acontece. 

sábado, março 21, 2015

Acabadinha de sair da AE de "Home: a minha casa" em 3D




Cartaz do FilmeSinopse:
Num futuro não muito distante, o planeta Terra é invadido por uma raça alienígena chamada boov. Apesar de bem-intencionados e relativamente amistosos, os boov pretendem um novo sitio para morar. Por esse motivo, todos os humanos são capturados e transferidos para um lugar deserto. Mas quando Tip, uma rapariga valente e destemida, consegue escapar, vê-se acidentalmente a braços com um aliado incomum: um pequeno boov expatriado pela sua própria raça, de nome Oh. Apesar de inicialmente relutante em fazer-se à estrada com aquele estranho ser, Tip percebe que a única maneira de conseguirem escapar é unirem esforços – e conhecimentos interplanetários –, numa demanda que não determinará apenas a sua sorte, mas a de todos os envolvidos…
Produzida pela DreamWorks Animation e realizada por Tim Johnson, uma comédia de animação que se baseia no livro infantil "The True Meaning of Smekday", de Adam Rex. Na versão original, as vozes das personagens são de Jim Parsons, Rihanna, Jennifer Lopez e Steve Martin, entre outros.

(In)confidência:
Sinceramente não gostei muito do filme... mas acho que foi por ter visto a versão portuguesa, a voz do Marco Horácio matou-me uma bocado a coisa e também não gostei muito das falas em si. Tenho de ver a versão original para formar uma opinião sólida.

quinta-feira, março 19, 2015

Acabei de ler "Coisas nada aborrecidas para ser muito feliz" =D

Sinopse:
Mergulha nestas páginas e deixa-te surpreender pelo mundo de Mr. Wonderful, do qual irás sair transformado e com um enorme sorriso. Ler estas páginas é um banho de mar em Agosto, é ficar com dores de barriga depois de tanto rir…
Tens nas tuas mãos um decálogo ilustrado sobre a felicidade explicada com quem fala com um amigo, sincero e transparente.
Coisas nada aborrecidas para ser mais feliz é o livro menos livro do mundo: é uma experiência, um sorriso, é como um espelho, um presente, é um caderno e um álbum.
Este livre é simplesmente um momento de boa disposição garantido.

(In)confidência:
Este livro começa por se apresentar como sendo o livro menos livro do mundo, porque “é uma experiência, um sorriso”. E eu não podia estar mais de acordo!!
Este é um livro que se lê em menos de meia hora, mas é um livro para ler e reler e voltar novamente a ler. É uma experiência que celebra os pequenos pormenores da vida, aqueles que realmente nos fazem felizes e que muitas vezes nem nos damos conta. É um livro que nos incentiva a sonhar, a tentar, a fazer, a errar e a voltar a tentar. É uma ode ao amor e a nós próprios, com todos os nossos defeitos que nos tornam tão únicos.
Digo mais: é um livro para oferecer. E quando falo em oferecer quero mesmo dizer partilhá-lo com os amigos. É um livro que não deve ficar parado numa estante, porque este livro nasceu claramente para roubar sorrisos.
Um pormenor muito amoroso é o facto de trazer lá dentro autocolantes com mensagens, tanto para nós próprios como para darmos aos outros, ou não fossem os outros também parte da nossa felicidade. Como diria John Donne: “No man is an island”.

Começados e acabados de ler hoje!! xD


Doodle de hoje:

Feliz dia do pai

quarta-feira, março 18, 2015

Ele, somente ele e ele próprio.

E foi naquele momento cheio de nada que soube tudo. Não sabia se tinha sido a curva do seu pescoço ou o seu cabelo meio enrolado e até mesmo despenteado... ou até mesmo o sorriso de perfil de quem via uma cena parva na tv. Não sabia o que tinha sido. O que o tinha feito acordar para a maior de todas as suas certezas: até aquele preciso momento milimétrico nunca tinha amado verdadeiramente alguém. Todos os "amo-te's" que já dissera a outras tinham sido na sua essência completamente e perdidamente desperdiçados. Só agora entendia realmente o que era amar alguém. Amar com toda a correnteza do seu ser. O que sentira anteriormente por qualquer uma das outras tantas era apenas um grande nada. Com ela, ele era ele, somente ele e ele próprio. Uma melhor versão de si próprio até.

Parabéns vozinho!!! ★ 87 aninhos ★





E que para o ano que vem estejamos cá outra vez a tirar mais umas destas!! (Ainda que o meu avô diga que não grama tirar fotografias =P )

terça-feira, março 17, 2015

Acabadinha de sair da AE de "Insurgente" 3D em Imax =D


Cartaz do FilmeSinopse:
Depois de serem expostos como Divergentes — pessoas que não cabem claramente em nenhuma das cinco fações — Tris (Shailene Woodley) e Four (Theo James) vêem-se em fuga de Jeanine (Kate Winslet), a líder sedenta de poder da fação Erudita. Enquanto as traiçoeiras tropas Intrépidos, sob o comando de Jeanine, fazem buscas às ruínas da distópica Chicago, cercando Divergentes, Tris e Four atravessam a cidade, esperando encontrar aliados entre as fações dos Cândidos, dos Abnegados e dos Intrépidos — bem como junto da rebelde e empobrecida massa dos Sem Fação. Apesar de desolada e sentindo-se culpada pela violenta morte da família e dos amigos, Tris tenta desvendar o segredo por cuja proteção os seus pais deram a vida – o mesmo segredo que explica por que razão nada poderá impedir Jeanine de a capturar. Desesperada para evitar causar mais dor aos que mais ama, Tris enfrenta os seus medos mais profundos numa série de desafios praticamente impossíveis, à medida que tenta revelar a verdade sobre o passado e, finalmente, sobre o futuro do seu mundo.
Filmado em cenários naturais na região de Atlanta, o futurista filme de ação e aventura The Divergent Series: Insurgent é dirigido por Robert Schwentke, segundo um argumento de Brian Duffield, do vencedor de um Óscar® da Academia, Akiva Goldsman e de Mark Bomback, baseado no romance “Insurgent”, de Veronica Roth. O filme é interpretado pela nomeada aos Globos de Ouro® Shailene Woodley, Theo James e pela vencedora de um Óscar® da Academia, Kate Winslet. A Vencedora de um Óscar® da Academia, Octavia Spencer, a nomeada para um Óscar® da Academia, Naomi Watts, e Daniel Dae Kim juntam-se aos membros do elenco do primeiro filme, Jai Courtney, Ray Stevenson, Zoë Kravitz, Miles Teller, Ansel Elgort, Maggie Q e Mekhi Phifer. Os jovens actores Emjay Anthony, Keiynan Lonsdale, Rosa Salazar, Suki Waterhouse e Jonny Weston também se juntam ao cartaz do filme.

segunda-feira, março 16, 2015

A tocar em repeat - Lo Fang "#88"


[Pre-Verse]
Can't look away, oh

[Verse 1]
Give it up If nothing matters
Give it up If nothing matters
Give it up It will get better
Turn and run This time I'm certain
Turn and run Nothing's working
Turn and run I know it's hurting

[Hook]
Can't run away
Oh I won't turn back
I need to know
Will it ever change?
Will it ever grow?

The thing that I felt before
This paradise has disappeared
Now it's crystal clear
Wow it's crystal clear

[Verse 2]
Burn it up Cause nothing matters
Burn it When nothing matters
Break it up The glass will shatter

Tear it down If nothing matters
Tear it down If nothing matters
Wear it down If nothing matters

Will it ever change
Will it always feel the same
It always feels the same

Does it ever change
Or does it always feel the same
It always feels the same

[Hook]

[Bridge]
And I know that the phantoms on the edge of my dreams
Are shapes I created but they still just disrupt my sleep
An idea growing quietly from something within
Spreads quicker than the cancer that destroyed your mother’s skin
And it feels like a shadow at about 5am
When the streets are so empty and the fragile can’t pretend
Can we all rush in
Get me back into the trees
If this dream wasn't happening
Would it still feel as real?
Will it ever change
Or will it always stay the same
It always stays the same

Does it ever change
Or does it always feel the same
It always feels the same

sábado, março 14, 2015

Acabei de ver:

a 2ª temporada de "Are you the one?"

Sinopse:
Na primeira temporada de “Are You The One?” 20 solteiros - 10 mulheres e 10 homens - foram morar juntos na fantástica ilha de Kauai, com o objetivo de encontrar o par perfeito. “Are You The One?” era a pergunta à qual se procurava resposta, pelo que cada um deles tinha de encontrar o seu respetivo parceiro ideal na ilha, definido por uma série de testes prévios que usaram os mais modernos métodos de combinação de perfis.. 
Durante a série, os 20 solteiros enfrentaram vários desafios e, por fim, formaram os 10 pares perfeitos e ganharam 1 milhão de dólares, o maior prémio da história da MTV. 
O que será que acontece nesta segunda temporada? 

(In)confidência:
A verdade é que não vi a primeira temporada desta série mas, num destes dias, enquanto estava a fazer o meu zapping normal deparei com os primeiros episódios desta série e, romântica como sou, fiquei agarrada desde o inicio... nem que seja pela particularidade do conceito.
A pergunta que se impõe nesta série é: Se o amor da tua vida estivesse à tua frente, perceberias? O que por si, a mim já me desperta muita curiosidade... mas ainda assim esta série desperta-me ainda muitas mais questões, como por exemplo: Até que ponto um programa de computador nos pode dizer que aquela é a nossa pessoa, o par perfeito, o amor da nossa vida? Será que o amor pode ser assim tão racional? Será que basta assim uma equação matemática para nos fazer apaixonar por alguém? E se assim for, então porque é que não fazemos isso durante a nossa vida toda? Provavelmente poupava-nos uns quantos desgostos amorosos... já para não dizer que isso seria uma grande mais-valia porque há por aí muito boa gente, e contra mim falo, que teima em se apaixonar pelas pessoas erradas. E claramente muitas delas são erros de casting!! E erros crassos! Lá se ia por água a história dos opostos atraem-se. Ou então não. Quem nos garante a nós que sabendo que aquela era a nossa pessoa ideal, ainda assim não nos apaixonariamos pela completamente errada? Há quem diga que nós humanos somos um tanto ou quanto masoquistas.
Sobre a série? Sobre ela não vou dizer rigorosamente nada, porque não há nada que possa dizer que não seja um spoiler. Se ficaram curiosos terã mesmo de ver.

Acabadinha de sair do concerto de ★ Ivete Sangalo 20 anos ★







Foi ontem, no Meo Arena, que Ivete Sangalo brindou mais uma vez o público português com uma noite cheia de dança, ritmo e muita, muita festa. A tour que comemora os 20 anos de carreira da cantora prometia uma visita por todos os seus grandes êxitos, e o público não ficou desapontado.

Ainda antes mesmo do espetáculo começar, um disparo de um canhão de serpetinas “testou” a vontade do público de ver a cantora entrar em palco, e o público rejubilou com a hipotese de ver o seu idolo pisar o palco. As palmas e os cânticos eram constantes e quase em uníssono, criando um ambiente de festa ainda antes da música começar.

Dez minutos depois da hora marcada, Ana Isabel Arroja (locutora da Rádio Comercial) entrou em palco e anunciou com orgulho a entrada de Ivete Sangalo. O público explodiu em palmas e assobios ao ver Ivete a entrar em palco, e deixou-se levar pelo concerto dançando e cantando todas as músicas. A boa energia por parte do público foi tal que levou a cantora anunciar todo o carinho que tem pelo público português e pelo país em geral, dizendo que demonstrações de amor como estas são raras mas que em Portugal acontecem de todas as vezes que ela pisa o palco, o que a faz sempre quer retribuir com um espetáculo que, pelas suas palavras, seria inesquescível.

Com muita coreografia, luz e a vontade incansável da cantora, as promessas rapidamente se transformaram em realidade e êxitos apareciam uns a seguir aos outros. Entre eles: Na base do beijo: Quando eu te pegar, você vai ver; Dançando; Vejo o sol e a lua; Esse amor que não sai; Faz tempo; e muitos outros, que durante duas horas e meia, levaram a festa do carnaval, passando por temas mais sentidos e até mesmo uma versão de Could You Be Loved de Bob Marley.

Nos momentos de troca de guarda roupa, o público foi presenteado com coreografias impressionantes, solos de percussão e momentos de festa onde era incentivado a irromper em dança, criando momentos de pura magia no meio do público.

Num dos grandes momentos da noite, Ivete Sangalo partilhou a música Se eu não te amasse tanto assim, com a cantora angolana Pérola, possuidora de uma voz muito doce e bonita, que teceu grandes elogios à cantora, reforçados sempre pelos aplausos do público. Logo de seguida, partilham também a música Deus te fez mulher, uma música de tributo a todas as mulheres.

E, quando todos pensavam que o show tinha acabado, Ivete Sangalo confirmou precisamente o contrário, interpretando uma versão de Careless Whisper, o que cativou o público uma vez mais.

Uma grande noite com uma grande voz. Uma verdadeira lenda que irá para sempre ter um público neste país que a adora e que deixará sempre muitas saudades. E, apesar da cantora não poder concretizar o seu desejo de fazer o carnaval no chiado, num elétrico e com um vestido amarelo, quem decidiu fazer desta a sua noite de sexta-feira 13, teve um pequeno vislumbre do que poderia ser possível se tal acontecesse: uma levada louca, com certeza.

sexta-feira, março 13, 2015

Acabadinha de sair do visionamento de "Cinderela" xD


Sinopse: 
A história de “Cinderela” acompanha o destino da jovem Ella (Lily James) cujo pai comerciante casa outra vez após a morte da sua mulher. Ansiosa por apoiar o seu adorado pai, Ella acolhe a sua nova madrasta (Cate Blanchett) e as suas filhas Anastasia (Holliday Grainger) e Drisella (Sophie McShera) na casa da sua família. Mas, quando o pai de Ella morre de forma inesperada, ela vê-se à mercê da sua nova, invejosa e cruel família. Finalmente reduzida a nada mais do que uma serviçal coberta de cinzas e maldosamente apelidada de Cinderela, Ella poderia facilmente perder a esperança. No entanto, apesar da crueldade exercida sobre si, Ella está determinada em honrar as últimas palavras da sua mãe e a “ter coragem e a ser bondosa”. Não irá ceder ao desespero nem à maldade dos que a maltratam. E depois existe o belo estranho que conheceu na floresta. Não sabendo que ele é realmente um príncipe e não apenas um aprendiz no Palácio, Ella sente finalmente que encontrou a sua alma gémea. Parece que o seu destino está prestes a mudar quando o Palácio envia um convite aberto para que todas as donzelas estejam presentes no baile, aumentando a esperança de Ella poder encontrar mais uma vez o encantador Kit (Richard Madden).Infelizmente, a sua madrasta proíbe-a de ir ao baile e rasga maldosamente o seu vestido. Mas, como acontece em todos os contos de fadas, a ajuda não tarda a chegar e uma gentil mendiga (Helena Bonham-Carter) aproxima-se e armada com uma abóbora e alguns ratos, muda a vida da Cinderela para sempre. 
Um filme de imagem real, inspirado no clássico conto de fadas “Cinderela”, que dá vida às imagens intemporais da obra-prima de animação de 1950 da Disney através de personagens reais, num espétaculo visualmente deslumbrante para toda uma nova geração.


(In)confidência:
Tenho a dizer que adoro sempre ir aos visionamentos da Disney! É que normalmente dão-nos sempre um miminho. Desta vez, foi um caderninho super giro xD. Só é mesmo pena não haver convite como nas antestreias, que eu gosto sempre de guardar essas coisas.
Ah, e podem ver uma réplica do sapatinho da Cinderela em frente às bilheteiras dos Cinemas NOS Colombo. Que como podem ver pela fotografia, é girissimo. No filme, a madrinha da Cinderela diz-lhe que os sapatinhos de cristal são muito confortáveis, se o são não sei, mas lá que são muito giros lá isso são!! E eu era bem menina para andar com uns!

Acabadinha de sair da revista "Portugal à gargalhada" :)


Sinopse:
“PORTUGAL À GARGALHADA” é um espectáculo que revisitando a revista à portuguesa, é uma crítica bem-disposta e mordaz à situação do Portugal dos nossos dias e aos seus principais protagonistas. Com a sofisticação dos grandes musicais da Broadway, a nova produção de FILIPE LA FÉRIA revisita a mais atávica e humorística tradição do género de espectáculo mais apreciado do público português, onde se conjugam: a música, a representação, o bailado, o texto de humor de bom gosto e popular, os cenários deslumbrantes e um guarda-roupa digno dos palcos das grandes capitais do mundo.

“PORTUGAL À GARGALHADA” é interpretado por um elenco de grandes vedetas como MARINA MOTA que é hoje a única herdeira das grandes comediantes da história do nosso teatro. De regresso à revista, MARIA JOÃO ABREU, a extraordinária e versátil actriz que todos os portugueses admiram, volta a trabalhar com La Féria, anos depois de A Rainha do Ferro-Velho, e promete surpreender o público com toda a sua garra e talento, ao lado de JOAQUIM MONCHIQUE que também volta a trabalhar com La Féria. Monchique é, hoje, um inquestionável trunfo num espectáculo e a sua participação em Portugal à Gargalhada é a consagração de um dos melhores cómicos do espectáculo português.

La Féria convidou o grande actor JOSÉ RAPOSO para reaparecer no TEATRO POLITEAMA, o teatro onde teve as suas maiores interpretações em Um Violino No Telhado (globo de ouro e prémio de teatro) e A Gaiola das Loucas (prémio de teatro) que irá de novo regressar à revista, género onde é considerado o melhor actor da sua geração.

Os espectáculos de La Féria têm um cunho de musical, comparável às grandes produções do West End londrino ou da Broadway. Por isso, La Féria conta com actores-cantores de formidáveis recursos como Paula Sá, Ricardo Soler (vencedores de concursos televisivos como Operação Triunfo, Ídolos, A Tua Cara Não Me É Estranha), jovens artistas que podem ombrear com os maiores nomes do show-business e também com jovens actores como Bruna Andrade, Filipe Albuquerque e Patrícia Resende fazem de “PORTUGAL À GARGALHADA” um espectáculo único e imperdível que ficará na história do teatro em Portugal.


(In)confidência:
Obrigada, Mariana. Gostei muito!! =D

quarta-feira, março 11, 2015

Acabadinha de sair da AE de "O Segundo Exótico Hotel Marigold" :D


Sinopse: 
O SEGUNDO EXÓTICO HOTEL MARIGOLD é a expansão do sonho de Sonny (Dev Patel) que, desta vez, está a ocupar-lhe mais tempo do que ele tem disponível, tendo em conta que está prestes a casar com o amor da sua vida, Sunaina (Tina Desai). Sonny está de olho numa promissora propriedade agora que a sua primeira aventura, o Exótico Hotel Marigold para pessoas idosas e bonitas, tem apenas um quarto disponível, o que o coloca num dilema visto que estão para chegar mais dois hospedes: Guy (Richard Gere) e Lavinia (Tamsin Greig). Evelyn e Douglas (Judi Dench e Bill Nighy) juntam-se agora à força de trabalho de Jaipur e questionam-se onde os levará os seus encontros regulares para comer panquecas, enquanto Norman e Carol (Ronald Pickup e Diana Hardcastle) negoceiam as traiçoeiras condições de um relacionamento exclusivo e Madge (Celia Imrie) lida em simultâneo com dois candidatos muito ricos e grandes pretendentes. Talvez o único que saiba a resposta seja a recém instalada co-gerente do hotel, Muriel (Maggie Smith), a guardiã dos segredos de todos. Enquanto as exigências de um casamento tradicional indiano ameaçam subjugar todos, uma inesperada solução apresenta-se diante deles.

terça-feira, março 10, 2015

Acabadinha de sair da AE de "Focus" :)



Sinopse: 

Will Smith é Nicky, um experiente burlão que se envolve romanticamente com uma jovem vigarista de nome Jess (Margot Robbie). Reconhecendo o seu talento, Nicky dispõe-se a ensinar os truques do seu negócio a Jess, mas quando ela se aproxima demais, ele rompe com ela abruptamente. Três anos depois, Jess – uma bem sucedida femme fatale – surge em Buenos Aires envolvida no mundo das altas apostas de corridas de carros. E agora, a antiga aluna vai envolver-se no mais recente e perigoso esquema de Nicky, provocar uma reviravolta... e deixar o mestre fora de jogo.
Nos cinemas a 12 de Março.

*Cortisona*

See you on the other side...

Estou apaixonada!!!



Porque é que me fazes isto Swarovski?!

domingo, março 08, 2015

Doodle do dia da Mulher


A nova atracção de Lisboa: Labirinto Lisboa

A inveja é uma coisa tão feia...

Nada como ser recebida pelo próprio cardeal em pessoa. Uahahaha

Tenham medo, tenham muito medo...

Foi num dia de sol que fomos visitar o Labirinto Lisboa, situado na rua do Instituto Industrial, em Santos. O ambiente solarengo da rua contrastava muito com o ambiente negro e pesado que nos esperava no interior. Uma personagem, que incarnava a inveja, esperava-nos à entrada e ia tentando assustar-nos enquanto esperávamos pela mente por detrás do Labirinto: Ricardo Rodrigues. Foi com ele que tivemos uma agradável conversa sobre todo o Labirinto, desde a ideia atéà sua execução.

O Labirinto abriu as suas portas em 2014, mas esteve apenas um mês aberto até que um fogo no prédio onde estavam localizados consumiu aquela que era a primeira atração portuguesa de terror. Reabriu este ano na mesma rua ainda com mais vontade de assustar Lisboa e arredores. Ricardo explicou-nos toda a sua paixão pelo terror, pelos filmes de culto, por tempos idos da feira popular e das suas casas de terror, pelas várias atracções pelo mundo fora por ele exploradas. Aliás notou-se desde logo o orgulho que tem na sua casa, descrevendo todo o processo de execução do Labirinto, incluindo até situações caricatas como o tempo que foi perdido devido à falta de legislação para este tipo de diversões. Explicou-nos naturalmente o seu desejo de apresentar a Portugal uma atração fora do normal que deixe qualquer pessoa com vontade de a ir visitar, para mostrar às gerações que passaram pela feira popular (e às que nunca lá foram) um novo sitio para se aterrorizarem. E enquanto conversávamos, os clientes iam chegando e os gritos faziam-se ouvir por todo o recinto. A cada grito um misto de orgulho e prazer eram visíveis na cara de Ricardo. O recinto estava a servir o seu propósito. 

O Labirinto de Lisboa é a primeira casa de terror feita especificamente para Portugal, por portugueses, para portugueses e para o mundo, e com muito orgulho dos que fazem parte do projecto. Aliás, foi desde a sua concepção essa a ideia: mostrar aos visitantes quer nacionais quer internacionais mais um pouco de Portugal. Todos agradecem. Os estrangeiros vibram com a originalidade, os nacionais relembram ou aprendem mais um pouco da nossa história. Os incautos grupos de visitantes irão fazer um caminho pelos episódios mais sombrios da história portuguesa: episódios como o tribunal da Inquisição liderado pelo grande Inquisidor, Cardeal D. Henrique que julgará os visitantes que tenham coragem de entrar; o sanatório da Serra da Estrela que nos mostra a sua ala de tuberculosos; Gertrudes Maria que ocupa o tempo enquanto espera por Diogo Alves; até mesmo o gigante Adamastor; entre outros episódios deliciosamente assustadores.

Depois de fazermos o percurso devo dizer que vale a pena, a qualidade tanto dos cenários quanto da representação é fenomenal e os actores fazem os seu papel apaixonadamente. Todo o percurso tem pequenos pormenores que só se conseguem ver depois de algumas repetições. Alás, aconselhamos a que prestem verdadeiramente atenção e acreditem quando vos digo que a experiência de quem vai à frente é completamente diferente de quem vai atrás, ou até mesmo no meio. Pode parecer estranho, mas há coisas que umas pessoas veêm que outras não veêm devido ao seu posicionamento. E é essa mesmo a intenção. A dúvida de “Será que vi o que acabei de ver?” é bem capaz de ficar no ar. E o túnel da claustrofobia? Senti que mais um pouco e o pânico poderia claramente tomar conta de mim. Não é à toa que algumas pessoas desistem do percurso depois dele.... Mas não se preocupem, que se decidirem desistir, há uma Wall of Shame à vossa espera cá fora para ser assinada.

E não podemos deixar de referir que, desde as mascaras aos ambientes, passando pela maquilhagem, nota-se um cuidado e uma atenção ao pormenor extremo. Toda a atração distila qualidade. Uma surpresa que não ficou por nós ignorada. Se têm vontade de passar um bom momento antes ou depois de um jantar, entrem no Labirinto com um grupo de amigos e deliciem-se com uma das atrações mais originais de Lisboa. E esperemos que consigam ser corajosos o suficiente para não fazer parte da Wall of Shame. Não esquecer também que todas as sextas feiras 13, existe uma noite especial em que há mudança no percurso original, o que torna a experiência uma novidade de novo. Sendo que a próxima sexta-feira 13 é já amanhã, podemos desvendar que o percurso será um percurso todo às escuras e que os actores tem permissão para interagir e tocar nos participantes. Uma experiência que acreditamos ser deveras bem mais assustadora. Ou não fossem os nossos sentidos se aguçarem, quando lhes retiramos um... neste caso, a visão. Além disso, o preço passa a 13€ ao invés dos 15€ normais.

Já sem desculpas para não irem, aconselhamos vivamente uma ida (ou várias até!) ao Labirinto Lisboa, o novo sitio hot in town onde o terror deixou de ser apenas uma palavra na lingua portuguesa.

Village Underground Lisboa

Adoro andar a passear por Lisboa e encontrar sitios novos!! =)

Ainda por cima tão originais quanto este.

"A girl should be two things: classy and fabulous" - Coco Chanel

"Out beyond ideas of wrongdoing and rigthdoing there is a field. I'll meet you there. When the soul lies down in that grass the world is too full to talk about." - Rumi

Os pormenores são mesmo qualquer coisa!!

Encontrei mais um!!


Perdida algures em Lisboa...

mas com muito estilo!! =P

Acabadinha de sair de "Isto era para ser com o Sasseti" de Rui Sinel de Cordes =P


Rui Sinel de Cordes levou mais uma vez ao palco do Villaret o seu espetáculo de Stand-Up Comedy: Isto era para ser com o Sassetti. Com a sala cheia, este foi um espetáculo de humor negro, que começou a disparar ainda antes de começar (basta olhar para o título!). Claramente este não é um espetáculo para os mais facilmente ofendidos, e ninguém está salvo dos comentários... nem o público, nem a produção, nem mesmo o próprio Rui. E, como sempre, nenhum tema é tabu e todos são um alvo válido, desde a clássica estupidez humana até aos temas mais pesados como a violência, o cancro, entre outros. 

No ínicio do espetáculo, Rui demonstrou a sua vontade de realmente contar com a presença de Bernardo Sassetti como complemento musical, mas devido a essa impossibilidade fisica, fomos presenteados ao estranhamente hilariante Paulo Almeida e, consequentemente, à sua mais recente vitima de sequestro, que saiu aos berros de dentro da sua mala de viagem.

Para fazer humor negro, por vezes, temos de contar com uma pequena ajuda e por vezes nem precisamos de procurar muito... basta-nos abrir as folhas de qualquer jornal e ler determinadas noticias que parecem saídas de um baú de tesourinhos deprimentes. E foi isso mesmo que Rui fez: um pequeno apanhado das mais estranhas peças informativas de jornais nacionais, salientando as mais bizarras situações e também muitas pessoas que facilmente poderiam estar nomeadas para um Darwin Award. São momentos como estes em que facilmente confirmarmos as melhores armas do comediante: a sua visão critica e o seu delivery impecável.

As interações entre Rui e Paulo foram recorrentes, e sinceramente, foram dos melhores momentos da noite, pois estas foram claramente fora de qualquer tipo de guião, sendo extremamente genuínas e (para agrado do público) completamente sem filtro. Aliás, Paulo Almeida foi o complemento perfeito para este espetáculo, com o seu estilo tresloucado e deslocado da realidade, mostrando um sentido de timing impecável, servindo para reforçar a punch line e sendo por vezes uma bitola moral para Rui, que usou esse factor como um factor de choque extra.

Desde "pedidos de desculpa" a piadas que (segundo Rui) podiam ter sido mais ofensivas, estas são noites onde se pode realmente dizer que o nível desce, mas a comédia sobe. Durante uma hora e meia Rui Sinel de Cordes fez-nos rir das coisas que não deveriamos, criando histórias e enredos hilariantes, eliminando moralidades e personalidades com um sentido de choque e humor incríveis. E estes são alguns dos factores que (na minha opinião) colocam Rui no patamar mais alto da comédia nacional, embora o seu estilo não seja para todos os públicos.